THE BIG ONE

Enquanto fecho as malas para deixar o Brasil e fazer de L.A. meu principal endereço, amigos e mesmo estranhos fazem a mesma pergunta repetidamente:

"Você não tem medo do “Big One”?

“The Big One” é o nome do apocaliptico terremoto de magnitude 8, previsto para acontecer ao longo da falha de Santo André e que supostamente irá despejar cidades como San Diego, São Francisco e claro, Los Angeles, minha nova base, nas profundezas do Oceano Pacífico.

O grande terremoto, irá redesenhar a geografia da Costa Oeste dos Estados Unidos e borrar da face da terra não só qualquer traço de civilização mas ainda pior: o fabuloso estilo californiano de viver.

Admito que não foram poucas as vezes que acordei no meio da noite com a casa tremendo e alarmes de carros disparados numa sinfonia vinda da rua. Nas primeiras vezes, eu saltava em busca de abrigo, de baixo de uma mesa ou do marco da porta, mas com o tempo vc vai se acostumando e logo, só senta na cama esperando prá ver se é mesmo preciso correr. Depois de alguns episódios, simplesmente vira pro lado e dorme.

Arriscado? Talvez.

Mas viver em São Paulo, Rio de Janeiro ou mesmo Porto Alegre (o que estou dizendo?... principalmente Porto Alegre!) também oferece um pacote de riscos. E não são poucos. Pode-se perder a vida a qualquer momento, em qualquer esquina, pelo simples fato de estar na hora errada, no lugar errado. Sem falar em outros desastres de proporções variadas – o caos do transito, a bancada evangélica, o fim do estado laico, fanáticos e neo nazistas de plantão, e pessoas inteligentes fazendo coraçaozinho com as mãos em intermináveis selfies.

Vivemos o caos, mas também é verdade que nos acostumamos a qualquer coisa. Até ao fato de que uma figura como Donald Trump pode se tornar o líder da maior potência da terra ou de que Luis Inácio Lula da Silva volte a subir a rampa do Palácio do Planalto. Sem mencionar o fato de que tenho bons amigos que votarão em ambos.

Será o fim do mundo?

"O Apocalipse permanece como uma de nossas mais atávicas fantasias. Não é simplesmente o impulso de avançar no livro e espiar a ultima página para saber o final da história. É um desejo de antever o caos, a revelação do que já sabemos mas não podemos ver: nada é garantido, nada na vida é banal e a civilização é só um acordo que pode ser revogado a qualquer momento."

Por trás de nossas leis e fronteiras, estamos todos juntos em um imenso planeta a céu aberto, onde tudo pode acontecer e não temos outra escolha a não ser sobreviver, construir abrigos e encontrar uns aos outros na tempestade.

E enquanto me preparo para viver em perigo sobre a falha de Santo André, lembro de T.S.Eliot que não por acaso em 1925 já profetizava, qual seria o destino da Humanidade:

“É assim que o mundo vai acabar,

Não com um estrondo, mas com um gemido".

.........................

*Jonh Koenig, The Dictionary of Obscure Sorrows.


Featured Posts
Posts Are Coming Soon
Stay tuned...
Recent Posts
Archive
Search By Tags
No tags yet.
Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Find me!

Yes, you can...
  • Instagram Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • Vimeo Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Tumblr Social Icon
  • LinkedIn Social Icon

© 2017 by FMoraes. Created with Wix.com