ABRAM TODAS AS JANELAS

Empresário, inventor, publicitário, astrólogo, correspondente comercial, comentarista politico, tradutor, critico literário, escritor, filósofo e poeta maior da lingua portuguesa, Fernando Pessoa não cabia em si e transbordava em heterónimos

Pelo punho do desassossegado Alvaro de Campos, talvez o mais importante dos seus amigos inventados (“com uma falta de gente coexistível como há hoje, que pode um homem de sensibilidade fazer se não inventar os seus amigos?”), Pessoa escreveu o impressionante texto que editado - aliás como convém em tempos de hj… - invadiu nos ultimos dias as redes sociais na voz grave de Maria Bethania.

Dias em que ser brasileiro faz ferver a cara de vergonha, dias de humiliação e desrespeito e que insultam a inteligência de todo um país. Dias como os que provavelmente viveu Pessoa e o povo Portugues em 1890 com a escandalosa imposição do ultimato Britânico, que terminou derrubando o governo de Lisboa.

O texto original é bem mais complexo, Campos cita nome e sobrenome de personagens que são alvo do seu repudio e indignação. Um por um espinafra e prá não esquecer ninguém proclama:

“…E se houver outros que faltem, procurem-nos aí para um canto!

Todos! todos! todos!

Lixo, cisco, choldra provinciana, safardanagem intelectual!

E todos os chefes de estado, incompetentes ao léu, barris de lixo virados pra baixo à porta da Insuficiência da época!

Tirem isso tudo da minha frente!

Arranjem feixes de palha e ponham-nos a fingir gente que seja outra!

Tudo daqui para fora!

Ultimatum a eles todos, e a todos os outros que sejam como eles todos!

Se não querem sair, fiquem e lavem-se !

Falência geral de tudo por causa de todos !

Falência geral de todos por causa de tudo !

Falência dos povos e dos destinos — falência total !”

Segundo meu pai, jornalista e filosófo com 83 anos na cara, as pessoas estão exaustas com os noticiários pesados, a crise política é triste, desalentadora e emburrece.

E o que dizer da polarização que dividiu o país em dois, amigos trocando ofensas, gente inteligente agindo de forma infantilóide, primária e teimosa. Por orgulho? Vergonha? Me escapa qualquer explicação possível.

O Brasil está monotemático, está obtuso, atrasado. Não se discute nada a não ser sua escandalosa vida politica.

Também cansada e já sem muita esperança convoco mais uma vez a necessidade do novo. E para tal empresto a genialidade de um homem múltiplo e o trecho mais bonito de “Ultimatum”.

Boa sorte Brasil!

“Sufoco de ter somente isso à minha volta. Deixem-me respirar!

Abram todas as janelas! Abram mais janelas do que todas as janelas que há no mundo.

O mundo quer a inteligencia nova, a sensibilidade nova, o mundo tem sede de que se crie.

O que aí está a apodrecer a vida quando muito é estrume para o futuro. O que aí está não pode durar porque não é nada.

Eu da raça dos navegadores afirmo que não pode durar!

Eu da raça dos descobridores desprezo o que seja menos do que descobrir um novo mundo.”

Proclamo isso bem alto, braços erguidos, fitando o Atlântico e saudando abstratamente o infinito.

Alvaro de Campos 1917


Featured Posts
Posts are coming soon
Stay tuned...
Recent Posts
Archive
Search By Tags
No tags yet.
Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square