April 18, 2017

February 24, 2017

December 29, 2016

October 27, 2016

September 22, 2016

August 25, 2016

July 20, 2016

June 22, 2016

Please reload

Recent Posts

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Featured Posts

A GAIOLA DOS HUMANOS

Muita coisa me impressionou nos últimos debates entre os presidenciáveis, mas nada me impactou tanto como o comportamento do Sr. Levy Fidélix. Mesmo que o candidato do Partido Renovador (sim, Renovador!)Trabalhista Brasileiro seja injustamente comparado nas redes sociais ao muito mais simpático Mr.Cosmo Spacely, chefe de George Jetson, o assunto não é piada.

Independente (ou nem tanto) dos ataques aos homossexuais que, diga-se de passagem, tem sido um posicionamento eficiente e cada vez mais utilizado por candidatos à extrema direita de Deus Pai, o que me impressionou na “performance” do sr. Levy Fidélix foi o ódio vestido de ira sagrada que dirigiu aos seus interlocutores: rosto crispado, olhos injetados e uma linguagem corporal digna de estudo. Além do fato, é claro, de me parecer no mínimo curiosa sua preocupação com o aparelho de fazer cocô alheio. Aliás, não é incrível que em pleno século XXI alguém pense que sexo só serve para reprodução?

Mas, enquanto o sr. Fidélix espalha a peste emocional destes “tempos modernos”, o Papa Francisco convoca um Sínodo sobre a família. Na pauta, assuntos como a união homossexual e métodos contraceptivos. Seria uma luz no fim do túnel ou apenas uma ofensiva de marketing da igreja católica em busca de ovelhas desgarradas e rejeitadas pela concorrência?

O fato é que vivemos um tempo em que a transparência é dada, não é mais opcional. Portanto, homofóbicos e homossexuais, racistas e negros, fundamentalistas e ateus, loucos e caretas, têm se encontrado com maior frequência frente a frente, nariz com nariz, muito, muito mais próximos do que jamais estiveram. Logo, assuntos tabus são debatidos mais abertamente, provocando desconforto e até desespero em quem não se preparou para a pluralidade e para o convívio civilizado com a diferença.

A verdade é que para se viver num mundo onde a privacidade agoniza e nada mais permanece embaixo do tapete ou socado em armários perversos, maturidade e uma boa dose de humildade são fundamentais para que possamos coexistir com outras formas de ser, pensar, sentir e ver o mundo, além… das nossas próprias.

Não é fácil, eu sei. A razão clássica não admite a diferença. Mas o que difere uma nação desenvolvida de uma subdesenvolvida, entre outras coisas, é o respeito à individualidade e isso só é possível quando atingimos graus mínimos de informação e educação. Sim, porque a ignorância nos leva ao obscurantismo e à intolerância. Preconceito é dominação e fruto de um mecanismo de defesa pré-histórico: o que não conheço é ameaça, então, por via das dúvidas, ataco. Lei da sobrevivência.

Aliás, posso estar enganada mas parece haver também um outro processo amplamente examinado pela psicanálise, e que tem a ver com a rejeição a algo que reconheço como próprio e que nego veementemente . Como aquele sujeito que é homofóbico de carteirinha só pra provar ao mundo que não é homossexual, quando na verdade o é. 

 

Eu, hein,santa?

Não vivemos mais, ou pelo menos uma boa parte dos brasileiros em cavernas ou sob regimes totalitários e criminosos como o nazista, e por sorte estamos longe o bastante das garras daquele filhote de pikachu coreano que faz sabão (literalmente) de quem não concorda com ele.

Mas o fato é que incitar o ódio em um ambiente onde a violência já está completamente fora de controle, pode resultar numa queda muito mais drástica da população do que a incapacidade reprodutora de parceiros do mesmo sexo.

 

Prefiro acreditar num mundo baseado no conhecimento e pautado pelo respeito. Aposto numa sociedade preparada para conviver com as diferenças mesmo quando isso significa lutar pelo direito do Sr. Fidelix de expressar a sua opinião. Acredito nas vias de mão dupla onde os defensores do aborto podem conviver pacifica e respeitosamente com pastores que pregam o contrário, assim como os que precisam de remédios à base de Cannabis e os que só querem fumar unzinho, com os veementemente contra a maconha e até - porque não, com aqueles que são oficialmente caretas, mas só oficialmente.

Não suporto a violência, a opressão, toda e qualquer maldita forma de dominação. Espero portanto francamente que São Sebastião Flechado abençoe o Sínodo e que a igreja católica inspire mudanças importantes no comportamento de monstros que sonham com um mundo de divisões e desumanidades.

Mas, se por acaso tudo sair errado e a intolerância reinar soberana, bem, então quando esta nuvem negra de obscurantismo pairar sobre nós, espero que sobre um lugar pra mim na gaiola dos humanos.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Follow Us

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Search By Tags
Please reload

Archive
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square